Artigos

Quais são os principais desafios da telemedicina no Brasil?

Medictalks Tech
Quais são os principais desafios da telemedicina no Brasil?

Os desafios da telemedicina no Brasil passam pelos avanços tecnológicos que, sistematicamente, propiciam muitos progressos. 
Há equipamentos que facilitam tratamentos e diagnósticos mais eficazes, bem como biossensores que permitem monitoramentos contínuos. Além disso, há próteses que são menos pesadas e, também, biocompatíveis, assim como sistemas capazes de automatizar as tarefas de gestão hospitalar. 
Apresentamos, ao longo deste artigo, as principais informações acerca da telemedicina, a fim de contextualizar os desafios atuais no contexto brasileiro. 
Boa leitura! 

Quais são as mudanças da nova resolução acerca da Telemedicina? 
A prestação de serviços mediante a Telemedicina tinha os seus parâmetros estabelecidos pela antiga Resolução 1.643, de 2002. Essa legislação não previa as consultas, os diagnósticos, os monitoramentos, as triagens (dentre outros) mediante o uso da tecnologia. 
Isto é, ela permitia, somente, os atendimentos auxiliares do chamado “segundo médico” durante um atendimento, a fim de permitir que os pacientes obtivessem uma segunda opinião e, portanto, o profissional remoto nunca poderia ser o porta-voz dos atendimentos. 

Os principais desafios da telemedicina no Brasil 
Agora, a Telemedicina se estabelece como uma consequência lógica da aplicabilidade da tecnologia na área da saúde e, também, dos avanços no setor de telecomunicações. 
Isto é, a Telemedicina compreende uma forma de prestar serviços de natureza médica por meio de soluções tecnológicas. 
Devido ao fato de estar presente em sistemas de saúde dos países desenvolvidos, o Brasil, entretanto, tem passado por dificuldades para a sua implementação, gerando debates acirrados entre a população e a comunidade médica. 

Acompanhe as mudanças no mindset de pacientes e de profissionais 
Na atualidade, a Telemedicina brasileira enfrenta um grande desafio na tentativa de convencer profissionais da saúde e pacientes de que os atendimentos a distância não trazem prejuízos à relação entre pacientes e médicos.
Todavia, muitos profissionais tendem a argumentar que os contatos pessoais são importantes para a realização dos atendimentos, sobretudo, no campo do Telediagnóstico e da Teleconsulta. 
Mas, é necessário reconhecer as vantagens, as possibilidades e os benefícios que os atendimentos a distância podem trazer, como a facilidade, para os pacientes, em obterem a segunda opinião fundamentada de um médico. 

Habilitação dos profissionais 
A adaptação de todos os profissionais envolvidos com as distintas tecnologias de comunicação é um ponto que não deve ser negligenciado. 
Com efeito, um dos maiores desafios da implementação, no Brasil, da Telemedicina, pode ser encontrado no credenciamento e licenciamento dos trabalhadores da saúde. 

Acesso e investimentos em tecnologia 
Os investimentos em tecnologias apropriadas são algo crucial para efetivar os procedimentos médicos a serem realizados pela Telemedicina. Desse modo, sistemas ineficientes ou equipamentos inadequados podem gerar resultados insatisfatórios. 
Além disso, essas deficiências podem comprometer, perante a opinião pública, em geral, e a comunidade médica, em particular, a confiabilidade nos procedimentos de tratamento a distância. 

Ética médica 
A ética médica é outro desafio para a Telemedicina no Brasil. Ao atuar remotamente, os médicos precisam adotar novas práticas que assegurem a fiscalização e garantam atendimentos eficientes e de qualidade. 
Ademais, é necessário coibir supostos profissionais que decidam, por motivos escusos, atuar em consultas sem, para tanto, contarem com a devida qualificação. O sigilo das informações dos pacientes e seus dados também deve ser preservada por todos os mecanismos possíveis. 

Em que consiste a Telemedicina? 
De origem grega, o radical “tele” pode ser traduzido por “distância”. Logo, a telemedicina deve ser compreendida como a articulação de distintas práticas médicas efetuadas a distância. 
Juntamente a isso, a telemedicina é implementada visando tornar mais eficientes os serviços de saúde. Destacamos, a seguir, algumas das suas práticas mais relevantes. 

Teleconsultoria
Quando a Teleconsultoria é aplicada visando possibilitar que os profissionais busquem por ajuda, suporte de colegas ou o esclarecimento de dúvidas, podemos entender o conceito como um modo de prestar, remotamente, suporte profissional. 
Em consequência, os profissionais da área podem discutir sobre quadros clínicos, laudos, sintomas e, inclusive, questões referentes à gestão dos serviços hospitalares. 
Um bom exemplo disso pode ser encontrado em centros de saúde pequenos que atendem a comunidades rurais – nas quais não existem médicos para as especialidades demandadas pela população local. 

Teletriagem 
Nos momentos em que a aplicação da Telemedicina visa a realização das triagens, os pacientes podem entrar em contato com os seus médicos que lhes dirão, de acordo com os sintomas relatados, qual instituição de saúde deve ser acessada. 
Essa medida, apesar de parecer simples, é capaz de impactar positivamente a performance das instituições, reduzindo tempos de espera e, ainda, otimizando os atendimentos presenciais. 

Teleconferência nas cirurgias 
Essa solução estabelece que os médicos podem acompanhar os atos cirúrgicos mediante transmissões em vídeo, visando, sobretudo, o treinamento e o ensino de novos profissionais da área. 

Teleconsulta 
As Teleconsultas consistem na realização, a distância, de consultas, mediante dispositivos eletrônicos e recursos digitais. Vale a pena ressaltar que uma Teleconsulta raramente substitui integralmente o atendimento presencial, configurando-se como um modo assistencial de tratamento. 

Telediagnóstico 
Por sua vez, o Telediagnóstico compreende a interpretação dos exames e laudos a distância, devidamente efetuada por profissionais qualificados. Estes devem emitir os seus pareceres, conferindo os resultados, sempre de acordo com os procedimentos específicos. 

Telecirurgia 
A Telecirurgia é uma modalidade pertencente à telemedicina, segundo a qual os procedimentos cirúrgicos são realizados remotamente, mediante a utilização de tecnologias que permitem, aos cirurgiões, a operação a distância dos equipamentos.
Nesse sentido, a Telecirurgia é aplicada apenas quando os ambientes são considerados seguros e contêm infraestrutura apropriada. Essa prática exige, ainda, a presença do médico no local. 

Telemonitoramento 
Há biossensores que enviam e captam sinais biológicos de cada paciente, propiciando um contínuo monitoramento dos quadros clínicos. 
Os Telemonitoramentos compreendem essas práticas, assegurando, ao médico, a obtenção de informações precisas a respeito da saúde de seus pacientes. 

Como funciona a Telemedicina em nosso país? 
No Brasil, a Telemedicina está sendo vividamente discutida. A Resolução 2.227, de 2018, de acordo com o Conselho Federal de Medicina (CFM), a disciplina se define como uma forma de prestação de serviços de ordem médica por meio de ferramentas tecnológicas. 
Dessa forma, a legislação vigente estabelece os parâmetros legais e éticos para a realização das Telecirurgias, dos Telediagnósticos, das consultas online, dentre outros. 
Enfim, embora se trate de um desafio global, em nosso país há dificuldades específicas que devem ser levadas em consideração. O que se espera é um avanço contínuo sobre debates e legislações, a fim de enfrentar e eliminar os desafios da telemedicina no Brasil. 

Acesse o blog da Medictalks e leia mais conteúdos relacionados.

Baixe o app

Pronto para fazer parte
da rede Medictalks?

Baixe o app

Baixe o aplicativo e tenha acesso a todos os
benefícios de fazer parte da Medictalks.
Acesso realtime, na palma da mão!