Artigo

Natalizumabe vs Fingolimode na Esclerose Múltipla Remitente Recorrente Ativa

Escrito por Eduardo Abrão Spínola Rezk| Revisado por Dra. Jessica Caetano Barbosa

Esclerose Múltipla Remitente Recorrente

As primeiras descrições clínicas da esclerose múltipla são atribuídas a Jean Martin Charcot, famoso neurologista francês do século 19. Charcot lançava em 14 de março de 1868 a primeira publicação correlacionando os achados anatomoclinico e patológicos post mortem em pacientes com a então chamada “esclerose em placas”.(1)

Trata-se de uma doença inflamatória desmielinizante imunomediada que afeta o sistema nervoso central, mais frequente em pacientes jovens e em mulheres (2,3:1).(2)

A forma remitente recorrente é a apresentação mais prevalente da esclerose múltipla. É caracterizada pela incidência de surtos com alterações neurológicas diversas, a depender da região do SNC acometida, seguida da recuperação do déficit. Dentre os acometimentos mais comuns estão alterações da movimentação ocular e acuidade visual unilaterais, síndromes cerebelares, de tronco encefálico e mielites transversas parc...

Próximo Artigo

Entenda qual o papel de um Conselho de Saúde e sua importância