Artigo

Tudo sobre desenvolvimentos motores na primeira infância

São Paulo, 26 de outubro de 2020
 

É indiscutível o fato de que os movimentos são fundamentais no corpo humano. Sejam os movimentos da locomoção, respiração, entre outros, as habilidades motoras são extremamente necessárias no cotidiano humano. Abordaremos, hoje, a importância dos desenvolvimentos motores na primeira infância.

A importância do desenvolvimento motor

Mesmo que muitas pessoas acabem ignorando esse fato, é muito importante garantir os desenvolvimentos motores na primeira infância. Afinal, toda a existência de um indivíduo pode ser afetada a partir do momento que seu desenvolvimento motor não ocorreu de maneira correta.

Isso porque é com ele que sabemos como realizar determinados movimentos que necessitam de uma habilidade ímpar e que, por mais que pareçam simples e insignificantes no dia a dia, oferecem uma mobilidade sem igual para o indivíduo.

Ademais, os desenvolvimentos motores na primeira infância são essenciais para garantir a segurança necessária para o futuro adulto que ali se encontra, de modo a garantir que habilidades sejam executadas de maneira correta e fluida.

O acompanhamento na primeira infância

Sem dúvidas, o período que ocorre a partir da gestação e o sexto ano da criança pode ser considerado o mais interessante e cheio de conhecimento para ambas as partes. Afinal, para a criança, é um ótimo período para obter aprendizados diferenciados e que moldarão de grande forma as suas crenças.

Ademais, é importante ressaltar que uma criança pode ser estimulada desde o momento que se encontra na barriga da mãe. O motivo é que, a partir do momento em que se dá início ao crescimento físico do indivíduo, já começa a ocorrer a maturação dos neurônios.

Conhecida também como maturação neurológica, esse efeito é o ponto-chave pelo qual a criança constrói suas habilidades, sejam elas:

  • Físicas;
  • Cognitivas;
  • Afetivas;
  • Sociais.

Logo, pode-se imaginar a imensa responsabilidade que é ensinar um indivíduo e ajudá-lo em todos os momentos, inclusive nos desenvolvimentos motores na primeira infância.

Conscientização

Muitos pais acabam ignorando o fato de que realmente é importante estimular a criança desde cedo. Entretanto, esse é um erro muito grave e que pode resultar em uma série de consequências mais adiante. Tais consequências nem sempre podem ser físicas, por exemplo.

De qualquer forma, é importante saber que os estímulos da criança estão ligados a muitas esferas, inclusive às citadas acima. Porém, para melhor entendimento, saiba que existem outros fatores ligados diretamente aos desenvolvimentos motores da criança. Por exemplo:

  • Individual: hereditariedade, biologia, natureza e fatores intrínsecos;
  • Ambiente: experiência, aprendizado, encorajamento e fatores extrínsecos;
  • Tarefa: fatores físicos e mecânicos.

Esse é o modelo que está ligado ao desenvolvimento motor da criança desde sua mais tenra idade. Inclusive, esse será o desenvolvimento e os fatores que a acompanharão pelo resto de sua vida.

O que são reflexos primitivos?

Reflexos primitivos são respostas automáticas no corpo do bebê. Uma das formas de garantir que tudo está ocorrendo bem no corpo da criança é, justamente, analisando tais reflexos. Porém, é de suma importância estar sempre atento aos sinais que de algo não vai bem. Por exemplo:

  • Excesso desses movimentos;
  • Ausência;
  • Intensidade.

Observar esses fatores é fundamental para garantir êxito em detectar que algo não vai bem com a criança e, assim, identificar se há a possibilidade de existir algum distúrbio neurológico, por exemplo. Existem, no entanto, três grupos segundo a OMS que podem apresentar tais reflexos.

1. Reflexos normais

Nos reflexos normais presentes durante os desenvolvimentos motores na primeira infância, é possível notar que eles ocorrem por um tempo e depois desaparecem. Entretanto, acabam retornando de forma notável somente se a criança tiver algum problema associado a ele.

Somente para exemplificar, o Reflexo de Moro pode ser um desses problemas. Ele se caracteriza por desaparecer no período em que a criança completa aproximadamente 4 a 6 meses. Já, por exemplo, também há o Sinal de Babinks, que pode se apresentar por até 18 meses quando é caracterizado como bilateral.

2. Aqueles que desaparecem, reaparecem, mas são considerados normais

Esses movimentos podem confundir muitos pais. Afinal, dependendo dos movimentos, eles podem apresentar algum tipo de problema, principalmente quando desaparecem e reaparecem.

Porém, nesse segundo exemplo estamos nos referindo àqueles que são normais por um determinado período. Assim, desaparecem e, do nada, podem reaparecer como um reflexo ou resposta a atividades espontâneas, como:

  • Reflexo de preensão;
  • Marchas;
  • Sucções.

3. Reflexos que ficam por toda a vida

Esses reflexos, como o próprio título sugere, são aqueles que permanecem por toda a vida no corpo. Dessa maneira, tornam-se profundos ou cutâneos, assim como os reflexos profundos e os reflexos cutâneos abdominais.

Como identificar os marcos motores?

Conhecidos como marcos motores, os desenvolvimentos motores na primeira infância possuem alguns estágios conforme a idade e o mês que se encontra a criança. A partir de um certo conhecimento dessas fases, pode-se notar se há algo errado ou não.

Primeiro ao quinto mês

No primeiro mês, a criança possui a postura muito característica de um bebê. Ou seja, é possível notar que seus membros estão com hipertonia fisiológica, a cabeça se encontra ainda instável e suas mãos são vistas frequentemente fechadas.

Já a partir do segundo mês, por exemplo, o bebê começa a acompanhar objetos e também a face de outras pessoas. Entretanto, é comum notar que nesse período a cabeça se movimenta em linha média.

Em contrapartida, o terceiro e o quarto mês apresentam algumas semelhanças. Por exemplo, em ambos os meses, a criança gosta de ser colocada sentada. Porém, a diferença começa quando, no terceiro mês, sua cabeça se mantém erguida, porém instável.

Já no quarto mês, sua cabeça já se mostra mais ereta, mas sua cabeça ainda se mantém oscilável. Porém, no quinto mês a criança já apresenta a cabeça mais firme e mantém seu tronco ereto.

Período do sexto mês até os seis anos de idade

Nesse período muita coisa muda em relação aos desenvolvimentos motores na primeira infância. Do sexto mês ao primeiro ano, por exemplo, nota-se que a criança começa a adquirir novos movimentos rotacionais, mostra maior controle sobre o corpo e consegue rolar.

A partir do segundo ano até o sexto ano, nota-se um avanço considerável no desempenho da marcha, bem como mais equilíbrio. Daí em diante, os desenvolvimentos motores na primeira infância tendem a mostrar que deram certo.