Artigo

Candidatos a transplante hepático: relação entre estado nutricional e estresse oxidativo

São Paulo, 11 de junho de 2021
 

Muitas pessoas no Brasil, em especial as que ingerem bebidas alcoólicas, apresentam complicações no fígado. Esse é um problema, uma vez que esse é um órgão de grande importância para o corpo. Quando afetado, pode causar o surgimento de doenças. Além disso, pode fazer com que pessoas morram. Por isso, não é de se estranhar o grande número de candidatos a transplante hepático no país.

Se levarmos em conta o ano de 2017, 2.019 brasileiros fizeram transplantes de fígado. Assim, esse não é um número pequeno.

Além disso, vale ter em mente que 201 desses casos se passaram no Ceará. Nesse estado, há o Centro de Transplante Hepático do Ceará. Ele tem o objetivo de melhorar a assistência que se dá aos candidatos por meio do desenvolvimento de pesquisas.

Importância da alimentação no tratamento da doença hepática

Vale dizer que a alimentação pode ser uma das formas de tratar a doença hepática. Isso porque as pessoas que sofrem com ela acabam tendo desnutrição energético-proteica.

Fazer o diagnóstico desse quadro não é simples. Por essa razão, é bom fazer uso de diferentes modos de avaliação nutricional do paciente.

Também é bom considerar que alguém que tem deficiência nutricional fica com seus mecanismos de oxidantes e antioxidantes em desequilíbrio. Assim, essa situação pode causar a morte do tecido hepático dessa pessoa.

O que ocorre no caso da hepatite causada pelo consumo excessivo de álcool

Há fatores que podem causar desequilíbrio oxidativo em quem tem hepatite causada pelo álcool. Veja quais são eles a seguir:

  • Aumento da produção de radicais livres por causa do metabolismo do etanol e também das mitocôndrias que foram lesionadas;
  • Crescimento da quantidade de dinucleotídio de nicotinamida e adenina. Isso porque o etanol e o acetaldeído oxidam;
  • Diminuição de caratenoides, glutationa, vitamina E e outros antioxidantes. A causa disso é a redução do consumo de alimentos, que é comum em quem faz uso do álcool de forma compulsiva.

Formas como os alimentos podem ajudar a tratar as doenças hepáticas

É bom que pessoas com hepatopatia ingiram alimentos que possuam antioxidantes em grande quantidade. Isso porque, com eles, há a chance de reduzir a inflamação hepática e também sistêmica. Por essa razão, há a chance de deixar a doença estável e tratada.

Nesse contexto, é bom também pôr na dieta alimentos que sejam ricos em vitaminas C, E e A, dentre outros micronutrientes.

Pesquisa sobre relação entre estado nutricional e estresse oxidativo

A fim de explicar melhor essa questão, vale a pena mencionar a pesquisa realizada por Viana et al. (2019). Os seus resultados mostram que a alimentação influencia o estado nutricional de pacientes com cirrose hepática que estão na fila de espera por um transplante.

Nesse estudo, uma amostra foi feita com 511 pessoas com doenças hepáticas que tinham idade entre 19-59 anos. Dentre essas pessoas, 33,33% delas tinham diagnóstico de cirrose causada pelo álcool.

Além disso, as pesquisadoras notaram que 31,7% das pessoas estudadas estavam desnutridas. Esse quadro não é favorável, uma vez que pacientes desnutridos podem sofrer com problemas como encefalopatia hepática. Além disso, estão vulneráveis ao aumento tanto da morbidade quanto das chances de morte e a uma imunidade baixa.

Das pessoas que fizeram parte da pesquisa, notou-se que mais de 50% delas não ingeria da forma certa energia, carboidratos e proteínas.

Vale dizer que a ingestão de proteínas é necessária para que uma pessoa tenha um aumento de massa magra. Além disso, ela é essencial para que haja síntese de proteínas plasmáticas. Por fim, é importante para que o sistema antioxidante tenha uma eficiência maior.

Com relação ao consumo de micronutrientes antioxidantes, eles são bons para atenuar lesões que ocorrem no tecido hepático. Dentre eles, a pesquisa dá destaque aos elencados a seguir.

Micronutrientes ideais para consumo de candidatos a transplante hepático

Vitamina E

Dentre outros fatores, ela é boa para diminuir a chance de necrose tumoral em casos de hepatite alcoólica. Os resultados da amostra mostram que nenhuma das pessoas analisadas consumiam Vitamina E da forma certa.

Ácido ascórbico

Ele acaba neutralizando as espécies reativas de oxigênio na célula. Dentre as pessoas estudadas, 68,3% das pessoas consumiam de forma correta essa vitamina.

Zinco

A pesquisa mostrou que 64,71% das pessoas que fizeram parte da amostra consumiam zinco.

Pró-vitamina A

Esse antioxidante foi percebido insuficiente na dieta de 76,47% dos pacientes que fizeram parte do estudo.

Mais resultados da pesquisa sobre candidatos a transplante hepático

Outra conclusão da pesquisa é que pessoas com IMC menor acabam tendo maior estresse oxidativo. Isso parece se passar por causa da situação nutricional e clínica do paciente em análise. Assim, há a chance de que esse quadro tenha relação com a menor presença de agentes oxidantes nessa pessoa e também ao avanço da doença.

Além disso, a pesquisa indica que é importante que haja a ingestão de nutrientes indicada pelos profissionais da saúde. Isso porque ela tem ligação com o aumento de massa magra e gorda de um paciente. Assim, há uma melhora da sua nutrição.

Alguns pensamentos finais sobre a pesquisa

Tendo em vista essa pesquisa, há alguns pontos que devem ser considerados.

Em primeiro lugar, é válido que os profissionais da área da saúde fiquem atentos para pesquisas que tratem desse assunto. Isto é, é bom que eles estejam atentos para as consequências de uma alimentação nutritiva no tratamento da doença hepática.

Isso porque, havendo muitos transplantes de fígado no Brasil, seria benéfico ter opções de tratamentos que tragam uma boa resposta para quem está na fila de espera.

Além disso, é importante que os estudiosos da área continuem avançando na discussão. Isso porque seria útil fazer pesquisas que façam um acompanhamento dos pacientes.

Assim, haveria a chance de estudar a evolução da doença, tendo em vista a dieta dessas pessoas. Com certeza, os resultados do estudo seriam úteis na busca pela melhora do tratamento de quem tem tal problema.

É possível que você queira saber mais sobre temas que estão ligados a candidatos a transplante hepático. Se esse é o seu caso, então faça a sua inscrição no V Workshop de Hepatologia e Transplante Hepático. O evento ocorrerá no dia 19 de junho. Confira a programação aqui.